Dez 24
2018

BBRn960

Em 24 de dezembro de 1818, o padre austríaco Joseph Mohr pediu ao amigo organista Franz Xaver Gruber que compusesse a melodia para um poema escrito por ele dois anos antes. Nascia assim Stille Nacht, heilige Nacht, uma das mais famosas canções natalinas, traduzida para mais de 300 idiomas e conhecida em português como Noite Feliz.
Naquela noite, Mohr e Gruber executaram a música pela primeira vez durante o serviço da igreja de São Nicolau em Oberndorf bei Salzburg, na Áustria. Hoje, a canção é quase onipresente no Natal, figurando desde 2011 na lista do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).O poema foi criado em um período difícil para Salzburgo. O então principado eclesiástico independente sofreu diversas ocupações durante as Guerras Napoleônicas. Os conflitos trouxeram caos e fome - em especial no Ano Sem Verão de 1816, quando temperaturas extremamente baixas destruíram plantações na Europa e América do Norte.
Naquele mesmo ano, Salzburgo perdeu sua independência e foi incorporada à Áustria. "As palavras deste cântico foram escritas nestas circunstâncias. Elas expressam uma ânsia por redenção e paz", explica à BBC News Brasil Peter Husty, curador da exposição Silent Night 200 - The Story. The Message. The Present ("Noite Feliz 200 - A História. A Mensagem. O Presente", em tradução livre), no Museu de Salzburgo.

BBRn962

O contexto local não impediu que a canção se tornasse um sucesso em todo mundo. Primeiro a música se espalhou em um manuscrito na região dos autores. Depois, o construtor de órgão Carl Mauracher a levou para Zillertal, um vale em Tirol, onde era cantada por corais. Dali, se alastrou pela Alemanha, Europa e Estados Unidos.
"O Cristianismo levou essa música para o mundo com missionários (protestantes e católicos). Ela virou acessível em muitas línguas e dialetos, tonando-se global", afirma Thomas Hochradner, chefe do Departamento de Musicologia da Universidade Mozarteum, na Áustria, e idealizador da exposição Silent Night 200.
A exibição traz informações detalhadas sobre a canção - como o fato de que ela é cantada por 2 bilhões de pessoas no mundo -, além de objetos que ilustram o estilo de vida no tempo da composição, autógrafos de Mohr e Gruber, e o piano usado para tocar a música.
Uma infinidade de traduções e adaptações
A propagação de Stille Nacht em diversos idiomas resultou em traduções nada fiéis ao texto original. Muitas delas são, na verdade, adaptações. A versão em português, por exemplo, foi intitulada Noite Feliz, embora o título real seja algo como "Noite Silenciosa".

BBRnbIf

A primeira estrofe também abriga a frase "pobrezinho nasceu em Belém", inexistente no poema austríaco. "As chamadas traduções são novas poesias que tentam manter a mensagem do texto, mas precisam levar em conta o ritmo e as rimas (da língua)", diz Hochradner.
Segundo Husty, geralmente as traduções buscam manter o sentido central da canção: o Natal como festa da redenção e sinal de paz. Mas nem sempre é o caso, como prova a Weihnachtsringsendung, a versão nazista do cântico.
O regime de Hitler tinha um problema óbvio com Natal: Jesus era judeu. E o antissemitismo estava no centro da existência da ditadura nazista. Por isso, sua equipe tentou remover todo o contexto religioso da celebração. Isso incluía reescrever canções natalinas sem referências a Deus, Cristo ou fé.
Na Alemanha nazista, o primeiro verso de Stille Nacht transformou-se em um louvor a Hitler. A letra dizia: "Tudo é calmo, tudo é esplendido / Apenas o Chanceler fica em guarda / O futuro da Alemanha para vigiar e proteger / Guiando nossa nação certamente."

BBRnbIi

A música também não escapou do uso comercial em inúmeros filmes (a Forbes afirma que ela apareceu em 295 até 2015) e interpretações por cantores famosos, incluindo Sinead O'Connor, Elvis Presley, Etta James e Kelly Clarkson.
Os compositores
Mohr nasceu em 1792 em Salzburgo, onde estudou e foi ordenado padre. Em 1815, o religioso tornou-se curador na pequena municipalidade de Mariapfarr. No ano seguinte, escreveu o poema que o tornou conhecido.
Em 1817, Mohr foi transferido para Oberndorf bei Salzburg. Na cidade, o padre conheceu Gruber, nascido em Hochburg em 1787 e que tocava órgão na igreja local. Eles cultivaram uma amizade por toda a vida.

BBRne04

Os dois são tão famosos na Áustria que os locais onde nasceram, trabalharam e morreram possuem memoriais e museus em sua homenagem.
Para celebrar os 200 anos do hit natalino, Hochburg, Mariapfarr, Arnsdorf, Hallein, Oberndorf, Hintersee, Wagrain, Fügen e Salzburgo fizeram uma parceria para uma exposição nacional. "Os austríacos gostam e cantam a canção, principalmente em sua versão original, que difere um pouco daquela mais comum no mundo. É mais uma tradição do que orgulho", afirma Hochradner.
Para Husty, Stille Nacht transcende a religião. "Ela conta a história do nascimento de Jesus. Então é um cântico religioso ao mesmo tempo em que é para a paz no mundo."

 

 

Dez 01
2018

Marina Ruy Barbosa fará um dueto com Roberto Carlos no tradicional especial de fim de ano da Globo. Nesta quinta-feira (29), a atriz aproveitou uma brecha nas gravações de "O Sétimo Guardião" e esteve com o cantor em um estúdio na Urca, Zona Sul do Rio de Janeiro, onde ensaiaram a música que vão apresentar no show. Estrela de dois filmes em cartaz nos cinemas – "Todas as Canções de Amor" e "Sequestro Relâmpago" –, a ruiva contou à colunista Marina Caruso, do jornal "O Globo", qual foi a sua reação quando recebeu o convite do Rei, que cantou com Isis Valverde no ano passado e Sophie Charlotte, em 2014. "Fiquei emocionada quando ele me ligou convidando pra cantar com ele. Vai ser um momento muito especial na minha vida", afirmou. A gravação vai acontecer na próxima terça-feira (4), nos Estúdios Globo.rei

Atriz enfrentou síndrome do pânico
Com 28 milhões de seguidores no Instagram e no auge da carreira, Marina revelou em entrevista que enfrentou o início de síndrome do pânico, assim como Gisele Bündchen. Segundo a artista, ela conseguiu superar as crises. "Tive momentos em que não acreditei em mim, medos, inseguranças, início de síndrome do pânico. Mas passou. Entendi que eu era, sim, capaz e que tinha sempre que me manter firme para realizar meus sonhos. Não podia deixar nada nem ninguém me parar. E eu não vou deixar", disse a ruiva, afastando o rótulo de ser uma frágil: "Sabem tanto de mim que até me assusto. Mas muita gente acaba pensando que sou frágil e doce (risos). Sou canceriana. Claro que sou supersentimental, mas sou muito certeira naquilo que acredito e no que quero".
Marina viveu ano agitado no trabalho
Na última semana, Mariana foi eleita mulher do ano por revista e falou sobre a emoção de ganhar o prêmio. "Ser eleita Mulher do Ano é muita responsabilidade. Ainda me vejo muito menina, mas muito mulher, sempre focada em minhas metas e fazer o meu melhor. Paro e penso: o que faz uma mulher ser a mulher do ano? A gente tem que ser grata! Agradeço a todos que me convidaram na minha carreira para trabalhar, e as pessoas que me incentivam a trabalhar e acreditar em mim – e também a todos os 'nãos' que recebi na minha carreira. Nesses 12 meses, vivi mais a vida de minhas personagens que a minha. Este prêmio, é para minhas personagens, e de todas as mulheres que habitam dentro de mim, e todas as mulheres do mundo. Incansáveis e guerreiras que me inspiram diariamente. Desejo que todas essas mulheres tenham a chance e direito de mostrar seu melhor", declarou.

 

Nov 24
2018

nicette bruno e irene ravache 1542996612025 v2 900x506Está acelerado o processo de remontagem da novela 'Éramos Seis', na Globo. Será a sua terceira produção, depois de Tupi e SBT.

Desde já é possível antecipar que Nicette Bruno e Irene Ravache terão participações especiais. Mas muito especiais mesmo.

Nicette foi a dona Lola na primeira 'Éramos Seis', em 1977, na Tupi, com um elenco carimbado. Guarnieri, Strazzer, Maria Izabel de Lizandra, Paulo Goulart, Geórgia Gomide, Nydia Lícia, Jussara Freire, entre outros grandes craques. Direção do Atílio Riccó.

Irene foi a dona Lola no SBT, em 1994, ao lado de Othon Bastos, Denise Fraga, Nathália Timberg, Marcos Caruso, Ney Latorraca, Tarcísio Filho e Marco Ricca. Henrique Martins e Del Rangel dividiram a direção.

Nicete, agora, será Maria, mãe de Lola, com Gloria Pires já definida para a personagem, e Irene Ravache, Emília, sua tia. Assim como Cássio Gabus Mendes foi escolhido para o papel de Júlio, Guarnieri e Othon nas versões anteriores.

Ângela Chaves está adaptando o original de Silvio de Abreu e Rubens Ewald Filho, que terá direção de Carlos Araújo. Gravações começam em janeiro de 2020.

Nov 29
2018

Solange Almeida fez uma revelação ao programa “Autênticas”, do canal GNT, sobre sua saída do Aviões. Segundo a cantora, ela foi convidada a sair grupo.

“Quando foi dia 21 de dezembro, eles me chamaram e disseram: ‘Sol, a gente tem uma coisa para falar com você, a gente não quer que você fique mais. A gente quer que você fique até o último dia de carnaval’”, disse a artista. “Como? Nós tínhamos um acordo. Sabe quando tiram o chão dos seus pés?”, completou ela.

De acordo com fontes ouvidas pelo Vai, Forrozão!, Sol tinha um acordo com os sócios de permanecer até setembro de 2017 na banda, pois era o tempo que a cantora ia montar seu grupo. Ainda segundo as fontes, o Aviões acabaria e os dois vocalistas seguiriam carreiras solo, o que não aconteceu na prática.

O Vai, Forrozão! contatou Carlinhos Aristides, empresário do Aviões”, que disse não saber ainda do assunto. O blog também procurou a assessoria do grupo, que até o fechamento desta matéria não retornou.

solange